Tweetar

Compartilhar



Entendendo a agressividade canina

 

     Características da raça não são os únicos fatores a desencadear agressividade. Claro que existem raças predominantemente dóceis, e outras, com maior quantidade de indivíduos agressivos. Entretanto, não se pode generalizar.

     O principal fator desencadeador de agressividade em um cão é a falta de limite. Amor e carinho, embora também necessários a qualquer animal de estimação, não suprem a falta de limites.

     Um comportamento agressivo não surge repentinamente, mas dá vários sinais. Aos primeiros sinais, é fácil corrigir, impedindo o comportamento indesejado. Se o animal não for corrigido, esta agressividade tende a aumentar, até chegar num ponto altamente perigoso.

     É muito comum encontrarmos cães de pequeno porte, como Poodles, Pequinezes, Pinchers e outros, extremamente agressivos e até mesmo perigosos. Só atingem este nível de agressividade porque não são corrigidos quando necessário. Algumas vezes, cães muito pequenos, ou filhotes, quando se mostram bravos, nos parecem “bonitinhos”. Sem receberem limites nas primeiras e pequenas demonstrações de agressividade, este comportamento tende a piorar, até atingir um nível perigoso.

     Alguns fatores podem desencadear agressividade. Proteção de território, ciúme de pessoas ou coisas, medo ou dor. Mas o mais importante é identificar a agressividade branda, e corrigi-la, antes que ela tome uma proporção perigosa. Cães pequenos também podem se tornar perigosos.

     Se um cão, entretanto, já atingiu um nível perigoso de agressividade, e o dono não consegue controlá-lo, recomenda-se recorrer à ajuda de um profissional.