Tweetar

Compartilhar



Quando anunciamos, eles eram um casal recém-chegado à casa de d. Tereza. Falávamos de uma poodle, ainda sem nome, e um York mix, que d. Tereza decidiu chamar de Goicochéia.

Belinha Tereza Mariana 1

O estado deles era o pior possível. O machinho estava (e continua) assustado demais. Ele é pequeno, mas de York tem muito pouco.

A Poodle era velhinha, estava doente e quase cega.

Belinha Tereza Mariana 2

Aí, a Mariana, que sempre ajuda d. Tereza decidiu passar por lá para deixar algum donativo, quando foi apresentada à menina.

Não teve coragem de deixa-la ali e decidiu resgatá-la. O primeiro passo era correr para uma clínica e tentar fechar todos os diagnósticos possíveis, até mesmo pra saber por onde começar.

Infelizmente, os resultados não foram bons. Naquele dia, ela ganhou um nome e passou a ser chamada de Belinha.

Dali em diante, sua rotina passou a ser de passeios no veterinário e muitos remédios. Descobriu-se que, além da catarata avançada, que lhe retiraria a visão em curto prazo, ela era também cardiopata e precisaria de cuidados constantes.

Belinha Tereza Mariana 3

O que aconteceu a partir daí foi que a Mariana se apaixonou e a Belinha ganhou uma nova família. Até irmãos ela tem.

Belinha Tereza Mariana 4

Seja feliz, Belinha, enquanto ainda dá tempo.

As pessoas precisavam saber que desfechos assim, mesmo que o cãozinho não tenha vida longa, faz toda a diferença no processo evolutivo deles.

Que dure apenas alguns dias, mas que sejam dias felizes. Ela precisa partir sabendo que alguém se importou, que foi estimada.

Só nos resta agradecer à Mariana por este “resgate”.

Belinha Tereza Mariana 5

Só pra lembrar, o Coicochéia ainda espera por adoção, junto com outros tantos.

Belinha Tereza Mariana 6

Um resgate de Mariana Araujo: kika_isthar@hotmail.com

Belinha Tereza Mariana