Tweetar

Compartilhar



Era pra ser apenas mais uma história de lobinhos desamparados, mas, a julgar pelo cílios brancos da mãe, sabemos que a história da Lili começou há tempo demais.

jul16-0018-1-mgC

O olhar assustado e desconfiado também era um sinal de que a longa experiência não foi a que ela merecia.

O pedido de socorro dava notícia de uma mãe recém-parida, na rua, sem abrigo, sem condições mínimas de sobrevivência para os filhotes.

jul16-0018-2-mgC

Apesar das referências ruins, de uma vida inteira de abandono e descaso, Lili, nome dado à mãe, aceitou o resgate.

Parecia saber que os pequenos não teriam chances se ela continuasse sozinha.

Ganhou uma caminha bem grande e macia, que parecia ter sido feita para o tamanho da família.

jul16-0018-3-mgC

Passou a receber comida e água fresquinha, além de algumas tentativas discretas de aproximação e oferta de afagos.

Ela não conhecia nada daquilo. Um mundo novo e diferente se abria.

Os pequenos Lobinhos, ainda de olhos fechados, seguiam dormindo e mamando, na inocência de uma infância que, por muito pouco, não seria vivida.

Eram cinco filhotes, sendo uma fêmea, que foi chamada de Bree, e quatro machinhos, chamados de Príncipe, Zeca, Greg e Lord.

jul16-0018-4-mgC

Os cinco filhotes eram tão diferentes que era possível presumir existir ali pelo menos meia dúzia de pais diferentes.

Se os pais seguiram os caminhos da vida sem olhar pra trás e sem se preocuparem com os filhos, estes tiveram a sorte de nascer de uma das mães mais dedicadas que a natureza já produziu.

Lili velava o sono dos filhotes e não permitia que ninguém se aproximasse.

jul16-0018-5-mgC

Não sabemos quantas ninhadas ela já produziu e de quantos filhos ela já se despediu, graças à maldade humana.

Sabemos, pelo comportamento dela, que as referências não são boas.

jul16-0018-6-mgC

Quando se via sozinha, arrisca algumas voltinhas no jardim, mas, ao menor sinal de interesse humano pelo que acontece dentro do berço, ela voltava às pressas para perto dos filhos.

jul16-0018-7-mgC

Notamos mudança quando nos mantemos longe dos filhotes. Se ela percebe que o visitante não está interessado nos pequenos, ela se aproxima, desconfiada e com o rabinho baixo, mas já aceitando alguns afagos.

jul16-0018-8-mgC

Fortes laços estão surgindo e queríamos muito que a vida traga para a Lili alguém especial. Era certo que, assim que os filhotes partissem, ela se entregaria à amizade.

Lili viveu mais de 10 anos, de uma vida miserável e triste. ERa uma SRD preta com uma manchinha branca no peito e muitos pelos esbranquiçados pela idade, concentrados no focinho e espalhados pelo resto da face.

jul16-0018-9-mgC

Tivemos um dia a esperança de fotografá-la relaxada e com meio metro de língua pra fora, naquele sorriso canino de quem “está com vida ganha”.

Era cedo pra esperar isso dela. Naquele momento, era apenas uma mãe muito tensa e amedrontada, talvez por pressentir que seus filhos serão levados embora.

Abaixo os pequeninos, já se preparando para um novo começo. A adoção não tardou, pra todos eles.

jul16-0018-10-mgC

jul16-0018-11-mgC

jul16-0018-12-mgC

jul16-0018-13-mgC

jul16-0018-14-mgC

Depois da partida dos pequenos, restava preparar a mãe, com aquela faxina pós parto, para que estivesse a Lili pronta para adoção.

Infelizmente, ela não chegou lá. Ficou bem sem os filhotes, rendeu-se à amizade e já se mostrava uma lobinha feliz e agradecida.

Mas, no meio de sua preparação, dois AVCs lhe tirariam a vida. Ela não parecia bem, chegou a fazer muitos exames, mas nada foi diagnosticado.

Conduzir bem seus últimos filhos talvez tenha sido sua última missão. Outras missões ficaram pelo caminho, porque as pessoas que cruzaram seu caminho não entenderam os sinais da vida.

Vá em paz, Lili. Que da próxima vez, você seja melhor recebida por aqui. O trabalho vai continuar, na tentativa de sensibilizar as pessoas e construirmos um mundo melhor e mais acolhedor para anjos como você.