Tweetar

Compartilhar



E com grande prazer que apresento Lola. A história dela é igual a tantas outras.

Pela manhã, ela foi vista na porta de uma casa de ração. A proprietária comentou comigo, descrevendo as tristes condições. Pela descrição, parecia ser grave, mas não imaginava que fosse tanto.

Por volta das 17:00 hs, Lola chaga ao meu portão, trazida por algumas crianças.

Quando a peguei, percebi o presente que havia ganhado. É uma filhotona grande. A cauda começou a balançar e não parou mais, até hoje.

Mediquei, limpei a pata, e ela continuava imóvel, sem esboçar reação agressiva, demonstrando saber que estava sendo cuidada e que confiava em mim. O olhar era a coisa mais meiga que já tinha visto. Recebi várias lambidas o tempo todo.

Lembrei muito da Amarela…

Lola é linda, carinhosa, chorona e muito amiga.

Difícil imaginar como alguém pode ter tido a coragem de machucá-la.

As fotos são de dias após o resgate, com a pata já em melhores condições, mas mesmo assim dá pra ter uma noção da gravidade da ferida.

A propósito, ela foi adotada pela mesma protetora que a resgatou. Final mais feliz não poderia haver.

Ainda está se recuperando, mas já consegue andar apoiando a pata e até arrisca alguns pulos. Além de abrigo e cuidados, ganhou uma família e uma numerosa matilha.

Esta história nos foi enviada pela protetora Ivany Quintaes, que socorreu e adotou a Lola.

As fotos abaixo mostram a evolução da Lola. Em exatos 25 dias, se vê o que carinho e cuidados são capazes de fazer por um lobo. Segundo relato da Ivany, a Lola poderia estar melhor, se não fosse tão agitada. Ela corre, pula, brinca. Demonstra claramente que já esqueceu completamente o passado, mesmo com a pata ainda ferida.

Este é o melhor testemunho da capacidade de esquecimento e perdão dessas criaturas.

Parabenizamos e agradecemos à Ivany, não apenas pela matéria, mas pela contribuição, mostrando às pessoas os benefícios de um resgate. Quem resgata ganha mais que o próprio resgatado.

Em data recente, recebemos algumas fotos mais atualizadas. Os ferimentos estão quase cicatrizados e a Lola tem passado dias alegres, em companhia de uma turma bem agitada. Lobos são assim mesmo. Onde um põe o focinho, os outros também querem saber o que é. No caso das fotos, estavam esperando a saída do gato.