Tweetar

Compartilhar



No dia em que chegaram ao santuário, eram quase 240 pássaros. Enquanto os biólogos e veterinários os soltavam dentro do viveiro, nós acompanhávamos os trabalhos, disparando a câmera fotográfica por todos os lados.

O primeiro passarinho a ser fotografado foi uma canarinha pardinha. Ela pousou nas telas da gaiola e ali ficou, como se reconhecesse o ambiente.

Lucinha Fev16 1

Naquele momento, ainda não sabíamos que aquela canarinha teria uma história tão triste.

Em um grupo de quase 240 pássaros, quase a metade eram canários, muitos deles pardos (jovens ainda), o que indicava que haviam sido apreendidos em poder de traficantes.

Lucinha Fev16 2

Poucos sobrevivem à triste jornada imposta pelos traficantes. Nove em cada dez morrem no transporte, em intenso sofrimento. Uma pequena parte será condenada a passar a vida em uma gaiola e, alguns poucos são os sortudos que, apreendidos pelos órgãos ambientais, acabam tendo uma segunda chance.

Lucinha Fev16 3

Aqueles que chegaram com vida ao nosso território são exatamente os sobreviventes e sortudos. Eles passaram por um centro de triagem do IBAMA e IEF e chegaram por aqui apenas para aclimatação e soltura.

Os canários mais jovens são os que têm melhores chances. Afinal, na grande maioria, eles reaprendem rápido a voar e em poucos dias estão prontos.

Lucinha Fev16 4

A readaptação deles é tão fácil que temos o registro de muitos casais reintroduzidos, e que constantemente chocam nos ninhos artificiais espalhados pela fazenda.

Lucinha Fev16 5

Quando chegam, muitos deles estão com falhas na plumagem, alguns até com ferimentos, de tanto que se debatem contra as grades das gaiolas.

O estresse é grande demais e o sofrimento maior ainda.

Lucinha Fev16 6

Nosso viveiro tem todas as condições de recebê-los bem e de prepará-los para a liberdade. Durante o período de aclimatação, registramos a evolução dos pássaros.

Flagramos os momentos que consideramos felizes.

Lucinha Fev16 7

Em quase 120 canários, era de se imaginar que não voltaríamos mais a identificar, dentre tantos, a nossa pequena Lucinha. Afinal, com tantos canários iguais, era de se esperar que no grupo, ela não fosse mais reconhecida.

Ganharia a liberdade junto com os demais e seria apenas mais uma fêmea anilhada em liberdade, pelo menos era o que esperávamos pra ela.

Lucinha Fev16 8

Registramos muitos momentos especiais:

Lucinha Fev16 9

refeições coletivas,

Lucinha Fev16 10

banhos animados e até coletivos.

Lucinha Fev16 11

Dança de acasalamento, muitas sinfonias e até brigas.

Lucinha Fev16 12

A descoberta de sabores novos, e até reuniões com pássaros de outras espécies.

Lucinha Fev16 13

Os momentos felizes se multiplicavam. Tudo parecia bem e sabíamos que aquela soltura seria mais um grande sucesso.

Lucinha Fev16 14

Enquanto os dias se passaram, os pequenos passarinhos amarelos tornavam-se mais fortes e até mais coloridos.

Lucinha Fev16 15

O treinamento foi intenso. Eles aproveitaram não só as sementes, mas também as frutas. Laranjas serra d’água, jambos e outras frutas, nativas e até exóticas.

Lucinha Fev16 16

A água que desce da montanha é a mesma que abastece os bebedouros.

Lucinha Fev16 17

Eis que chega o grande dia, aquele em que uma janela para a vida livre seria aberta. Apesar do grande número de aves, não costumamos registrar grandes revoadas.

Lucinha Fev16 18

Como de costume, as saídas são discretas e isoladas.

Lucinha Fev16 19

O viveiro de aclimatação é grande bastante para que os animais não se sintam presos. Nos primeiros instantes após a abertura da janela, entram mais pássaros do que saem.

Do lado de fora, além do banquete de todos os dias, ninhos artificiais foram espalhados, preparados para receber os pequenos. Tudo preparado e planejado com muito cuidado: A espessura da madeira para garantir equilíbrio térmico, as cores e a fixação dos ninhos em locais que garantem a camuflagem, o tamanho da abertura e até a distância da entrada para a base, suficiente para impedir a saída precoce dos filhotes.

Lucinha Fev16 20

Enfim, temos tudo para que a reintrodução seja bem sucedida, e que os animais libertados tenham condições de dar origem às próximas gerações, de aves já nascidas em liberdade.

E o resultado de tanto cuidado não poderia ser outro.

Lucinha Fev16 21

No entorno do viveiro, pelo menos quatro ninhos esperam a chegada da nova geração de canários.

Lucinha Fev16 22

Dentre os recém-libertados, outros casais se preparavam pra começar uma nova vida.

Lucinha Fev16 23

E assim que se viram em liberdade, iniciaram a preparação do ninho.

Lucinha Fev16 24

Lucinha Fev16 25

Na medida em que o viveiro se esvaziava, podíamos prestar mais atenção naqueles que ficavam. A soltura total leva uma semana, tempo necessário para que todos deixem o viveiro.

Muitos deles foram vistos em liberdade, ora dividindo comedouros com outras criaturas, ora disputando território com os de sua própria espécie.

Lucinha Fev16 26

Uma semana depois, o viveiro estava vazio, ou quase isso. Do lado de fora, a vida explodia em uma mistura de cores, cantos e histórias. Cada um deles levava nas asas nossa esperança de que estejamos mesmo construindo um novo mundo.

Infelizmente, em cada grande soltura, alguns ficam pelo caminho e partem durante a aclimatação, ou porque estavam muito debilitados, ou porque os anos de cativeiro tiraram deles a vontade de tentar.

O tempo da soltura havia chegado ao fim, mas alguns se recusavam a sair.

E logo reconhecemos aquela mesma canarinha que fotografamos no dia em que chegaram. A mesma asa caída, que num primeiro momento acreditamos ser apenas estresse, e a incapacidade de deixar o chão voando.

Lucinha Fev16 27

Se lhe faltavam asas, ela usava muito bem as pernas, o que a permitia pular, empoleirar-se nos galhos mais baixos e, a partir deles, atingir os galhos mais altos da amoreira e das outras árvores do viveiro.

Lucinha Fev16 28

Chegava fácil aos comedouros, à lagoa, mas jamais alcançaria a janela, e nem teria condições de sobreviver do lado de fora das telas.

A ampliação das fotos deixava clara a má-formação das asas. Não sabemos se ela nasceu assim, em cativeiro, ou se foi gravemente ferida durante o manejo pelos traficantes.

Lucinha Fev16 29

Nada pode ser mais angustiante que ver aquela canarinha tentando voar, caindo e pulando. Não é verdade que ela tenha evoluído pra viver em uma gaiola, usando apenas as pernas pra pular de um poleiro a outro.

Se essa é a realidade dela, foi por culpa da covardia humana. Não era pra ser assim.

Queríamos dar a ela a chance de uma vida mais digna. Infelizmente, Lucinha será moradora permanente de nosso viveiro. Ficará por aqui, até quando a vida achar que ela mereça ficar.

Lucinha Fev16 30

De dentro das telas, ela poderá ver a vida que segue no entorno. Os outros 120 canários estão por ali, em pura algazarra, da qual ela nunca poderá participar.

Lucinha Fev16 31

Talvez, em uma próxima soltura, venha um machinho também incapaz de voar, e possa com ela formar uma família. Afinal, a vida tem seus métodos para que tudo valha a pena.

Lucinha não ganhará a liberdade, mas poderá ser mãe e ver seus filhos se tornarem canários livres. Talvez assim ela possa se sentir realizada e cumprir a etapa de uma grande jornada evolutiva que Deus preparou pra ela.

Lucinha Fev16 32

Estamos felizes por tê-la por aqui. Não era o que queríamos pra ela, mas temos condições de lhe proporcionar a melhor vida possível.

E que crueldades assim um dia deixem de existir.

Lucinha Fev16

FVS 3 IBAMA IEF FVS