Tweetar

Compartilhar



Era uma vez um cisquinho de 3 quilos que foi avistado seguindo as pessoas e pedindo socorro, na orla da Lagoa da Pampulha, em uma manhã de domingo.

Estava limpinho, com algumas poucas pulgas, de barriguinha cheia e todo serelepe, fazendo festa e abanando o rabinho pra qualquer um que passasse.

Assim que encontrou quem lhe desse um punhado de trela, rendeu-se ao colo e ali ficou, quietinho, até que o resgate chegasse.

Tem uma cicatriz em uma das perninhas que parece ser antiga, embora ele ainda sinta dor no local, quando apalpado.

O menino chegou ao nosso território e logo fez amizade com todos. Correu e brincou com a Hanna, enfrentou a rabugice da Duda e acabou decidindo ficar por aqui.

Percorreu nosso território, vigiado bem de perto pela Pintada. Demarcou todos os pontos que julgou necessário e tornou-se o rei do pedaço.

Passou por avaliação médica, fez todos os exames e está em ótima forma.

Théo foi o nome que ele recebeu, que talvez seja provisório. Ele é um Pinscher de apenas 3 quilos e muito, muito bonzinho, sociável com crianças, cães ou gatos. É ainda filhote e aparenta ter no máximo um ano, segundo estimativa dos veterinários.

Viveu muitas aventuras por aqui. Apesar de seus míseros 3 quilos, ele se mostrou o mais aventureiro lobinho que já passou por nosso território.

Estava sempre disposto a aprender (ou ensinar) e se integrar.

Fazia questão de brincar com todos. Aliás, na maioria das vezes, ele era quem iniciava qualquer brincadeira.

Com a Pintada, sua agitação era dobrada. Nossa Pinta, mesmo no auge de seus 10 anos de vida, ainda tem disposição para filhotes e para lobinhos bagunceiros.

Aprendeu a cavar túneis, a fazer correria em banco de areia, a se sujar. Aprendeu também a se limpar sozinho.

Mostrou-se corajoso, além do que é desejável. Não é cãozinho pra andar sem guia, em hipótese nenhuma. Ele não tem medo de nada, enfrenta qualquer coisa e não tem consciência de suas limitações.

Escala barrancos, mas também pode subir em janelas. Ele é perfeito para apartamento, mas desde que tenham sacadas protegidas e não tenha móveis próximos às janelas, ou tenha as janelas teladas.

E se forem teladas, tem que ser tela fina, pois ele é um cisco e passa em qualquer buraco.

Adora se sujar e a brincar na terra. Um jardim seria tudo de bom pra ele.

Ter amigos caninos também é essencial. Ele precisa mesmo de companhia em tempo integral, inclusive de outro lobinho.

Alguns cães precisar ser filhos únicos e lidam muito bem com alguns momentos sozinhos. Mas este não é o Théo. Ele é cãozinho que pede colo o tempo todo, inclusive para estranhos.

Ele é o tipo do lobinho que pulará no colo de visitas, sem pedir licença. Será o melhor amigo de qualquer um que aceitar sua amizade.

Tem energia inesgotável. É capaz de correr um dia inteiro e levantar no dia seguinte pulando e perguntando como será o dia.

Nadar é sempre uma atividade prazerosa para os cães, mesmo que entrem apenas para molhar o peito.

Poucas vezes eles se animam a mergulhar ou nadar em águas mais profundas.

Mas o Théo é corajoso demais pra se contentar em molhar apenas as canelinhas.

O que começou com uma perseguição a um Teiú, terminou com ele dentro da lagoa e atravessando a nado, toda a extensão, inclusive onde a profundidade passa de 5 metros.

Nunca sabemos quais predadores as águas escondem. O Théo é pequeno demais pra se arriscar tanto, mas não deu tempo sequer de pularmos para resgatá-lo.

Ele atravessou a lagoa inteira, com agilidade, e foi recebido na margem oposta por Hanna e Pintada, admiradas com a coragem daquele novato.

Também notamos uma grande influência que ele exerce sobre uma matilha. É capaz de estimular outros cães a serem tão agitados e bagunceiros quanto ele.

Depois da festa na água, ele mesmo cuidou de se secar, na terra vermelha.

Para a Hanna, a arte rendeu banho e tosa na tesoura, para remover os ciscos e carrapichos.

E nem isso desanimou o menino, que se levantou do banho de terra vermelha como se dissesse: _Eu já estou pronto. Não preciso de banho.

E assim terminou um feriadão de aventuras caninas.

Já descansado, o Théo precisa agora seguir novos caminhos. Está com todos os exames em dia, vermifugado, com vacinação iniciada (Inclusive com Leishtec) e castrado.

Será entregue de banho tomado, limpinho e com perfume.

Fizemos muitos testes com o Théo. Descobrimos que ele não tem nada de “come quieto”.

Pelo contrário, ele apronta mesmo, na frente de quem estiver por perto e não se intimida se houver alguém registrando seus malfeitos.

E depois ainda fica olhando com olhar desafiador, como se dissesse: __Fiz e faço de novo. Que que tem?

Pra ele, brincadeira não tem hora e nem lugar. Na verdade, ele brinca somente uma vez por dia, da hora que levanta até a hora que deita.

Então, o desafio era grande. Ele precisaria de um lugar bem especial.

E foi aí que o destino dele começou a mudar. Alguém viu suas aventuras na internet e decidiu aceitar o desafio.

Saímos de casa pra conhecer sua nova família, com muitas recomendações: _Chegando lá, você se comporte. Finja que é quietinho, mostre-se um menino tímido e recatado.

E assim ele fez, exatamente como combinamos.

Rolou um estresse inicial, mas nada que durasse. Além dos colos humanos, aquela família tinha outros dois lobinhos, um vovozinho chamado Nanico e um filhote bem arteiro, Miltinho, do tamanho do Théo, mas que ainda vai crescer um pouquinho mais.

A família se reuniu pra receber o Théo e também pra contornar algum possível desentendimento entre as crianças. O Théo levou um brinquedo, pra não ter disputa, mas sabemos que as disputar viriam de qualquer jeito.

Rompido aquele primeiro momento de tensão, ele saiu pra percorrer e reconhecer o novo território.

Aliás, de território selvagem ele entende bem e estava ali botando toda a banca de experiente.

Claro que ele não perdeu a oportunidade de marcar o território em alguns pontos estratégicos.

E isso bastou para que a natureza de lobo alfa tomasse conta da matilha. Teve início uma rápida e pacífica disputa, pra decidirem quem seria, dali em diante, o lobo alfa daquele território.

Eles conversaram durante alguns minutos e decidiram que o vovô continuará sendo o lobo alfa. Não houve resistência, e nem reivindicação por parte do Théo, que entendeu que acabara de chegar e que precisaria aceitar as regras preestabelecidas.

_Tudo bem, galera. Já sabemos quem é que manda nessa birosca. Você está felilz, Vovô? Podemos agora seguir com a programação?

_Eu vim aqui pra brincar. Quem vai ser o pique?

Abaixo, temos pra mostrar um lobinho chamado Théo, totalmente adaptado à sua nova matilha.

Correu e brincou até ficar mole. Ele e o Miltinho já são os melhores amigos de infância e o Nanico tem se esforçado muito pra entrar no ritmo dos dois filhotes.

Claro que não dará conta de acompanhar. Mas a verdade é que Théo e Miltinho vão drenar a energia, um do outro.

Nós nos despedimos sem que eles percebessem. Estavam num fogo só e prontos pra escreverem uma nova história.

E que seja uma vida longa e muito feliz. Que nunca se cansem de brincar, que não percam a infância, que  sejam os mais felizes lobinhos do mundo.

E nem precisamos dizer o tamanho da saudade que este cisco deixará em nossas vidas. Você passou por aqui feito um furacão, Theó. Fez história e nunca será esquecido.

Vamos sempre lembrar do lobinho aventureiro e corajoso, bagunceiro e alegre, que um dia cruzou o nosso caminho, e que nos ensinou que “tamanho não é documento”.

Claro que fizemos as recomendações de praxe, mas elas não eram necessárias. O Théo não tentaria fugir, não sentiria a nossa falta, não tardaria a se revelar.

Explicamos que ele é lobinho de colo e que precisa ser espremido todos os dias.

E as dicas foram levadas muito a sério. A Tia Luciana foi quem assumiu a tarefa de apertá-lo. Assim será de agora pra frente, amigo.

Fica aqui nosso muito obrigado à Magna e a toda a família, pela acolhida do nosso menino. Ele é mesmo um lobinho especial e merecia uma família assim.

Contato: (31) 3477.7602.

E-mail: crispim@oloboalfa.com.br