Tweetar

Compartilhar



Mais um absurdo. Tatá era um filhotinho de 5 meses, porte pequeno (5,2 Kg), mestiço de Cocker, nascido em 01/07/2011.

Ele nasceu amparado e protegido e foi adotado por alguém muito especial, que o recebeu como devem ser recebidos todos os lobinhos.

Apenas duas semanas depois, seu adotante veio a falecer, deixando órfão o pequeno Tatá. Foi novamente adotado, mas, dessa vez, por pessoas que não tinham condições afetivas de receber um cãozinho.

Ele foi deixado em um canil imundo, sem higiene, sem abrigo adequado, tomando chuva, sol, passando frio, fome e sede.

Seus donos argumentavam que cachorro não sente frio e que precisa comer uma só vez por dia e em pequena quantidade. Não sebemos se é desculpa pra gastar pouco, se é preguiça, ignorância, maldade. Não é possível encontrar explicação. 

Pior que isso, recusavam-se a devolver o Tatá, que foi retirado da casa com direito a denúncia por maus-tratos e muita discussão.  Estava muito abatido, triste e infestado de carrapatos.

Foi abrigado na casa de uma protetora. Passado o susto e o pavor dos últimos meses de terror, ele já se mostrava alegre, brincalhão, muito sociável com outros cães e mesmo com crianças pequenas, já que sua protetora tinha um bebê de 2 anos.

Como já era de se esperar, sua história comeveu alguém especial e o Tatá foi finalmente adotado, no sentido mais amplo possível.

Está feliz e adaptado à sua casa nova e à sua família. Com o que é bom, eles se acostumam rapidinho. Abaixo, as fotos do Tatá em sua nova casa, com seus novos amigos.

Felicidades Tatá. E que sua nova dona nos envie depois fotos para que possamos acompanhar aqui o seu crescimento, sua alegria, sua vida, enfim.

E que seja você um exemplo para ajudar a salvar muitos outros de sua espécie.

Nosso muito obrigado à adotante do Tatá, embora acreditemos que nessa história toda, foi ela a maior beneficiada.

Resgate da protetora Amariles Lage