Tweetar

Compartilhar



Em uma das desastrosas podas feitas pela Prefeitura lá pelos lados da Cidade Jardim, um ninho de beija-flor foi derrubado e ali deixado, como se nem sequer existisse.

Um filhote imóvel, ferido, sendo velado pela mãe desesperada, enquanto mais à frente, o segundo filhote, já morto, esmagado pelos pés de algum descuidado.

Por sorte, ou talvez, neste caso, apenas pelo acaso, alguém mais atento cruzou aquele caminho e pôs-se a tentar fazer alguma coisa.

Francisquinho 1

A primeira opção seria tirá-lo da situação de risco em que se encontrava mas, ao mesmo tempo, permitir que ele passasse a maior parte do dia com a mãe.

E assim foram cansativos plantões na calçada.

Francisquinho 2

O ninho de pano não era tão aconchegante e nem tão seguro quanto aquele que foi covardemente derrubado.

Mesmo assim, o pequeno beija-flor parecia se aninhar ali.

Francisquinho 3

Infelizmente, algo não estava bem. O pequeno não conseguia se mover. Recebia a comida de sua mãe, mas não fazia menção de sequer tentar voar. Ele já estava bem crescido e, em condições normais, talvez, com o incentivo de sua mãe (e um possível empurrãozinho humano), ele conseguisse chegar aos galhos mais altos e ali terminar sua infância.

Mas nada indicava que isso fosse acontecer.

Francisquinho 4

Estava claro que o pequeno precisaria mesmo de assistência médica.

E foi aí que se constatou uma fratura em uma das asas. Em um filhote tão pequeno e frágil, ainda tão dependente da mãe, esse diagnóstico havia selado seu destino. Ele não poderia mais voar, ainda que sobrevivesse.

Francisquinho 5

Era preciso tentar e tudo foi feito, mas o pequeno não resistiu e partiu dias depois.

A vida seguiu e o pequeno Francisquinho, que só ganhou este nome depois que já havia partido, encerrou sua história.

Sua protetora continua, como de costume, passando diariamente pelo lugar onde tudo aconteceu. E tem sido recebida todos os dias pela mãe, que a circula, planando, como se perguntasse: _Onde está meu menino? Quando você o trará pra mim?

E nada pode ser mais amargo que o silêncio.

Francisquinho

Esta história talvez não sirva pra nada. Sequer sabemos como tudo aconteceu, se o acidente poderia ter sido evitado, se a vida do Francisquinho poderia ter sido diferente, ou mais longa…

Possivelmente, nada vai mudar na forma de trabalho do departamento de parques e jardins da Prefeitura. Talvez os órgãos responsáveis não se interessem. Em termos ambientais, o “prejuízo” foi pequeno.

Mas precisamos semear entre os homens a compaixão e, talvez pra isso, a vida desse pequeno passarinho tenha servido.

Nos vídeos abaixo, as tentativas de salvar o Francisquinho. No primeiro, sendo alimentado pela mãe. No segundo, por sua protetora, Cíntia Tognolli.

https://youtu.be/FhP_J87ungQ

https://youtu.be/1twx9u6-dEc