Tweetar

Compartilhar



Medo de fogos de artifício

O pavor de alguns cães é tão grande que pode provocar tremedeiras, problemas no coração, arritmia e alterações de comportamento. Nos filhotes, pode provocar trauma pro resto da vida.

O pânico causado pelo barulho muda radicalmente o comportamento de certos cachorros, com tentativa de fuga e até agressividade.

Existem várias maneiras de reduzir esse medo. Uma delas é preparar o cão para a barulheira que está por vir. Dias antes de um evento em que haverá muitos fogos, bata panelas enquanto dá comida ou brinca com o cachorro. Ele deve associar o barulho com algo positivo ou prazeroso. É um bom jeito de mostrar pra ele que o barulho não significa perigo.

Independente do que escolher, aumente o volume do barulho gradativamente. Não comece esse processo fazendo muito barulho de uma só vez. Isto pode provocar trauma.

Se o cachorro já está traumatizado, a melhor opção é consultar um veterinário sobre a possibilidade de dar um calmante pra ele. Sob o efeito de um medicamento com essa finalidade, o cachorro vai ficar mais calmo e sonolento, e sua capacidade de gravar na memória tais acontecimentos diminuirá bastante.

Nunca medique o cachorro sem orientação de um veterinário.

Oferecer carinho e aconchego pode reforçar o estado de pânico e piorar a situação. Procure agir com naturalidade. Brinque com o cachorro e o alimente como se nada de diferente estivesse acontecendo. O importante é desviar a atenção dele do barulho que o incomoda.

Se quiser conter o cão, use a guia com uma coleira e nunca com um enforcador, pois ele pode se asfixiar num momento de pânico.

Caso tenha de deixar o cachorro preso, escolha um lugar que ele confie, como sua casinha ou um cômodo da casa.

Para casos mais graves, você poderá criar uma âncora para o condicionamento. Pra isso, compre um apito e passe a usá-lo nas brincadeiras com o cão, em dias normais. Funciona assim:

Brinque com ele fazendo muita festa, ofereça-lhe petiscos que ele goste e sopre a apito, tudo ao mesmo tempo. Repita isso várias vezes, em dias diferentes. Depois de algumas vezes, passe a usar o apito primeiro, como se estivesse avisando o cão que a brincadeira vai começar. Em seguida, dê sequência à rotina de brincadeiras e petiscos, sempre usando o apito.

Com isso, ele vai associar o apito a algo prazeroso. Em dias de fogos, como jogos de fotebol, etc, procure ficar perto do animal e, quando os fogos começarem, sopre o apito e inicie com as brincadeiras e petiscos, tudo junto com os fogos. Com isso, ele estará tão animado com os petiscos e as brincadeiras que vai esquecer os fogos. Depois de algum tempo, ele passará a esperar os fogos e demonstrar agitação e alegria quando ouvir os estouros.

De acordo com o site procurasecachorro.uol.com.br, existem 10 dicas muito úteis para prevenir problemas decorrentes do medo de fogos.

1) Medalha de identificação: O pingente na coleira pode aumentar em até 90% as chances do animal voltar para casa. Não importa a rotina que ele tenha, o cuidado serve tanto para os que passeiam todos os dias, como os que não saem de casa. Ninguém que perdeu imaginou que pudesse acontecer. É preciso ter nome e telefone de contato da família!

2) Ambiente seguro: Deixe-o longe de escadas e objetos que ele possa quebrar ou ingerir. Feche portas, ofereça os brinquedos prediletos e espalhe petiscos pelo cômodo.

3) Som ambiente: Além de fechar as janelas, você também pode abafar o barulho pendurando um pano ou cobertor. Deixe um som agradável para ele não perceber os estouros do lado de fora, pode ser uma música ou televisão ligada.

4) Quintal não: Cães que vivem no quintal precisam estar dentro de casa durante a queima de fogos. É muito comum os estouros acontecerem na própria rua, até mesmo através de vizinhos, e o animal presenciar de perto.

5) Não deixe-o amarrado: No momento do desespero, o animal pode se enforcar enquanto se debate. Deixe-o livre em um cômodo da casa, ele vai se proteger embaixo de mesa, cadeira ou algum móvel.

6) Tampão: “Coloque bolinhas de algodão no ouvido dos animais para diminuir o ruído. Só não pode esquecer de tirar logo após a queima de fogos”.

7) Separe os animais: Em situação de stress ele pode brigar e ferir outros bichos. A reação é imprevisível, separe um em cada cômodo para deixá-los à vontade.

8) Evite atropelamento: Os bichos costumam sair em disparada quando sentem medo. Certifique-se que o portão da rua esteja fechado. Os convidados da sua comemoração podem esquecer aberto enquanto transitam.

9) Alimentação: Ofereça comida leve para evitar problemas digestivos.

10) Calmante: O medicamento deve ser receitada pelo veterinário do animal de acordo com o peso, idade e comportamento. Os produtos homeopáticos também servem de opção.

Fonte: http://procurasecachorro.uol.com.br/blog/2014/12/10-dicas-para-proteger-seu-animal-do-barulho-dos-rojoes-e-evitar-fugas/