Tweetar

Compartilhar



A vida tem caminhos que só alguns enxergam.

Zezinho é um mesticinho de Pinscher de menos de 5 quilos. Já estava castrado, o que indica que, em algum momento, alguém se preocupou com ele.

Nós o encontramos às 06:30 da manhã, em um domingo, em uma avenida muito movimentada, tremendo e chorando muito, encolhido na sarjeta, debaixo de uma moita alta de capim. A perninha pendurada e sem mobilidade indicava um grave atropelamento, que num primeiro momento acreditamos que tivesse acabado de acontecer.

Zezinho 1

Eu estava de bicicleta e não tinha como leva-lo. Tentei pegá-lo mas ele estava distribuindo dentes e saiu correndo, com a perna pendurada, na frente dos carros. Fui atrás, mas notando que se insistisse na tentativa de resgate acabaria fazendo-o correr para a avenida.

Foi aí que um casal, percebendo que eu estava tentando pegar o cãozinho, parou o carro e me abordou:

__Ele estava lá em casa, mas pode levar. Não quero esse bicho lá.

__ Ele é da senhora?

__ Não. Eu não gosto de cachorro. Meu neto que trouxe. É de uma amiga dele.

__ Ele está atropelado e precisa de socorro urgente. Vocês me ajudam a pegá-lo?

__ Não posso. Estamos atrasados para a missa.

__ Deus ficará bem mais feliz se vocês ajudarem a salvar aquele filho dele. Se eu tentar pegar ele correrá para a frente de um carro. Eu preciso que vocês abram o portão de sua garagem pra ele entrar.

Zezinho 2

Envergonhados, estacionaram o carro e desceram. Abriram o portão da garagem e eu fui cercando o cãozinho até que ele entrasse. Então eu disse à Senhora:

__ Eu não tenho como leva-lo de bicicleta porque ele está muito nervoso. É possível vocês o segurarem aí até eu voltar de carro?

__ Sim. Ele ficará no terreiro.

__ Posso confiar de que ele não “fugirá” novamente? (Eu sabia que a fuga foi permitida)

__ Se você voltar, ele não fugirá. Mas se você não voltar, ele vai fugir com certeza.

Zezinho 3

Marquei de voltar no final da manhã, quando o casal já teria voltado de seu compromisso, na igreja.

Ao retornar, o neto, suposto responsável pelo cãozinho, não estava em casa. Eu insisti, peguei o menino com uma toalha e o coloquei em uma caixa de transporte. Deixei meu nome, telefone e notei a preocupação daquele senhor de anotar a placa do meu carro.

Zezinho 4

Fiquei imaginando qual poderia ser a desconfiança deles. Afinal, eles não queriam o cachorro, jogaram-no em uma movimentada avenida com perna quebrada e tudo e não deram nenhuma assistência ao pobre bichinho.

Pelo que entendi, já estava machucado havia dias, quando chegou àquela casa, na noite anterior (Meia-noite, segundo informação indignada da senhora que, na manhã seguinte, por “descuido”, abriu o portão e deixou o cãozinho escapar, “sem querer”.)

Zezinho 5

Dali, seguimos direto para uma clínica veterinária, onde foi examinado e medicado. Era domingo e foi então agendada a radiografia e uma consulta com ortopedista, na segunda-feira.

Sabíamos que o caso era grave, mas não poderíamos fazer nada no domingo. Ele veio para nossa casa e aqui passou o dia e a noite.

Foi recebido por Hanna e Duda e parecia ter ficado mais tranquilo, apesar da dor que sentia.

Zezinho 6

Zezinho 7

Na segunda-feira, demos sequência ao plano inicial. O laudo da radiografia não poderia ser pior: Fratura completa, transversa, em terço médio de úmero.

Mais que consulta com especialista, ele precisaria de uma cirurgia de emergência, o que também ocorreu no mesmo dia.

Constatou-se que a fratura já tinha alguns dias e que as lascas dos ossos tinham retalhado toda a musculatura da perninha dele. Foi necessário reconstituir tudo com pontos internos e colocação de pino para segurar os ossos no lugar.

Zezinho 8

Mais tarde, recebemos uma ligação da pessoa responsável pelo resgate do Zezinho. Mostrava-se preocupada e queria se certificar de que faríamos por ele o que ele precisava. Restava saber o significado de “o que ele precisava”.

Aquela ligação foi a oportunidade para conhecermos um pouco a história dele. O menino havia chegado à porta de uma casa no Bairro Ouro Preto, já com os sinais do atropelamento. Ali ficou por mais de 4 dias, recebendo comida e água.

Nesse tempo, ele chegou a ser levado a uma consulta médica, que já havia alertado da necessidade de uma radiografia e de posterior cirurgia.

Zezinho 9

Para a casa da religiosa senhora, ele foi a título de lar temporário, no sábado à noite, com a radiografia já agendada para a segunda-feira.

Foi despejado na hora em que passávamos de bicicleta, às 06:30 da manhã de domingo. Estava escondido no mato alto e colocou a cabeça pra fora no momento exato em que nos aproximávamos.

O melhor é mesmo acreditar que ele estivesse sendo guiado para que nossos caminhos se cruzassem.

Zezinho 10

Segundo sua primeira protetora, ele estava sendo chamado de Zezinho. Decidimos manter este nome, que de fato lhe caía bem.

A cirurgia foi bem pesada, mas tudo correu bem. Ele teve alta médica no mesmo dia e chegou por aqui com muita fome, o que foi um ótimo sinal.

Reforçamos a ração com bastante patê e deixamos ele comer até se empanturrar. Afinal, de barriguinha cheia ele dormiria melhor.

Zezinho 11

No dia seguinte, uma maratona de remédios o esperava. A recomendação médica era de repouso absoluto.

Segundo estimativa dos médicos que o atenderam, ele tinha no máximo 10 meses de vida, sendo ainda filhote. (Data estimada de nascimento: 12/05/2016)

Dentre os remédios prescritos, estava antibiótico, anti-inflamatório e analgésico. Sem as dores dos últimos dias, a carinha dele mudou. Isso, somado à energia de filhotinho arteiro e o estímulo de uma matilha alegre e equilibrada, tínhamos aí um indício bem evidente de que o repouso não seria obedecido.

Zezinho 12

Pra evitar a agitação da Pintada, que também é estabanada ao extremo, decidimos deixa-lo dormir dentro de casa, com Hanna e Duda.

As duas correm e brincam o dia inteiro. Passam boa parte do tempo na varanda, latindo até pro vento.

O Zezinho ficou por ali, mas ainda discreto. Por 3 dias nós não ouvimos um só latido dele.

Zezinho 13

Mas o comportamento quietinho dele não durou nem uma semana. Com 3 dias de cirurgia ele já dava sinais de que estava incomodado com o repouso sugerido.

Zezinho 14

E aí ele se transformou. A cirurgia aconteceu na segunda-feira, mas na quinta ele já estava pulando e correndo, latindo na porta da rua e ameaçando avançar em quem chegasse perto das grades.

Zezinho 15

Conheceu a Pintada e não se intimidou com o tamanho dela. Pelo contrário, foi dele a iniciativa de chama-la para brincar.

Zezinho 16

Não pode haver no mundo lobo mais especial que nossa Pinta. Ela parece que veio ao mundo com a missão de ajudar na recuperação de outros animais.

Já perdemos a conta de quantos filhotes órfãos ela adotou, de quantos lobinhos tristes ela alegrou.

Zezinho 17

O Zezinho seria mais um a merecer os cuidados e a amizade dela. E ele sabia mesmo que agora teria uma matilha estruturada e equilibrada, capaz de dar a ele a segurança que tanto precisava.

Estava feliz o nosso Zezinho. Tornamo-nos amigos, apesar do estresse do dia do resgate e dos dias seguintes. Mas precisávamos compreender: As condições em que seu braço se encontrava davam uma noção da dor que ele sentia.

Zezinho 18

Uma semana depois de ter chegado à nossa casa, Zezinho já se sentia parte de uma família. Tinha afeto, recebia cuidados e ganhou uma caminha bem ao lado da cama da Duda.

Zezinho 19

Ganhou também o direito de latir na porta da rua, de correr pela varanda e de assumir o papel de lobo alfa da matilha. Afinal, ele era o único macho e estava se achando.

Zezinho 20

Parecia não se lembrar que nem lobo inteiro ele era. A cirurgia tinha sido um sucesso, mas o estrago foi grande demais e nem mesmo os médicos poderiam prever o que o futuro reservava pra ele.

Zezinho 21

Se tendões tivessem sido rompidos, ele poderia perder toda a mobilidade da perna, o que poderia resultar em uma amputação no futuro.

Zezinho 22

Estávamos ansiosos por vê-lo usar a perna. Queríamos a certeza de que o acidente não deixaria sequelas e que ele voltaria a ser o filhote que foi um dia.

Zezinho 23

Os dias passaram e ele já estava melhor, mas ainda assim preservando a perna, o que era considerado normal para a gravidade dos ferimentos, mas insuficiente pra amenizar nossa angústia.

Zezinho 24

Alguns dias depois da cirurgia, uma visita ao veterinário para trocar o curativo nos deixaria ainda mais tensos com a situação.

Aquele curativo que imobilizava toda a perna foi trocado por um esparadrapo que apenas lhe cobria os pontos.

Zezinho 25

Mesmo assim, antes de chegarmos em casa, passamos no Pet Shop para comprar algo pra comemorar o que considerávamos uma ótima evolução.

Zezinho 26

Ele ainda não tinha mobilidade na perna e andava com ela suspensa.

Mesmo assim, durante o garimpo no ossinho, ele apoiava a patinha. Chegamos a nos arrepender de não ter comprado o osso desde o primeiro dia.

Zezinho 27

Claro que, em território de lobos felizes, quando uma criança ganha um brinquedo depois da injeção, todos têm que ganhar também, pra não dar confusão.

Zezinho 28

O Zezinho tem se mostrado bem dominante em relação à comida, o que indica que talvez ele tenha sentido muita fome em algum momento.

Em territórios onde os lobos são obrigados a brigar para comer, eles acabam desenvolvendo esse hábito ruim.

Zezinho 29

Os dias seguiram e ele melhorava ainda mais. Enfim, chegou o dia da retirada dos pontos. A cirurgia tinha sido um sucesso e ele já dava alguns sinais de que poderia recuperar os movimentos da perna.

Zezinho já estava castrado quando o resgatamos e tudo indica que a castração aconteceu com ele bem novinho. Isso porque o menino não costumava levantar a perninha pra fazer o xixi.

Fazia abaixado na grama, como as fêmeas. Isso é comum em machos que foram castrados antes de atingirem a maturidade sexual.

Zezinho 30

Claro que isso poderia ser também reflexo da dor. Afinal, foram muitos dias de dores bem intensas, até o nosso encontro.

Ele acabou fazendo amizade com a Pintada, com quem passou a dividir o território depois de alguns dias.

Zezinho 31

Mas nem tudo são flores. O sujeitinho estava dormindo dentro de casa e, desde que foi pego na rua, não tinha tomado um só banho, nem mesmo a seco.

Não poderia molhar o curativo e, em razão da fragilidade de sua perna, tivemos receio de machuca-lo se tentássemos dar o banho a seco.

Então, o caminho foi mesmo deixar que ele ficasse “fedido” por uns dias.

Zezinho 32

Mas não por muito tempo. Claro que, assim que ficamos mais seguros com a sua recuperação, fomos obrigados a apresentar a ele algumas contas a serem pagas.

Afinal, se ele tem a pretensão de, um dia, ser um lobinho de dentro de casa, com direito a dividir a cama com os donos, terá que tomar banhos com bastante regularidade.

Zezinho 33

E ele nem reclamou tanto assim, mas não tem muita experiência com banhos. Talvez ele fosse um cachorro de terreiro, que vivia largado, sem atenção e sem muito carinho.

Vai saber o que foi a vida dele até aqui!

Zezinho 34

Até mesmo os afagos com a toalha eram bem recebidos por ele.

Zezinho é um cãozinho muito carinhoso. É ligado na tomada e não para um só minuto. Quer brincar e morder o tempo todo, o que nos confirma que ele é mesmo bem novinho.

Zezinho 35

Faltava agora intensificar os exercícios para que ele voltasse a andar normalmente.

E a recomendação foi hidroginástica. E bastou iniciarmos os exercícios para nos enchermos de alegria. Na água, ele batia as duas patinhas, fazendo instintivamente os movimentos da natação.

Zezinho 36

Estava evidente que todos os seus movimentos estavam preservados e isso era um sinal de que ele sairia desse capítulo sem nenhuma sequela.

Zezinho 37

Ele ainda manca bastante e ainda está com a patinha suspensa em alguns momentos. Mas já começa a usá-la para ajudar no apoio, sobretudo na hora das correrias e brincadeiras.

Zezinho 38

Nesses últimos dias, ele pôde aprender sobre a vida de um cãozinho de estimação, de dentro de casa, de colo.

Não que ele seja exatamente um menino de colo. Pelo contrário, não é. Isso porque, no auge de seus 11 meses de vida, ele é agitado demais e só quer saber de brincar e morder o tempo todo.

Ele precisa estar muito cansado pra aceitar ficar deitado quietinho e ganhando carinho.

Na maior parte do tempo, é agitado e brincalhão.

Zezinho 39

Os exercícios dele eram acompanhados pela Hanna, que parecia querer dar apoio moral pra ele: __Vamos, Zezinho. Você vai conseguir.

Zezinho 40

Zezinho passou também por exames, está negativo para leishmaniose e já iniciou a vacinação com a Leishtec. Já podemos dizer que o resgate dele foi um sucesso.

Talvez ele nunca tenha sido um cãozinho de dentro de casa, mas o fato é que agora ele é, e somente será doado pra dividir o ninho com os futuros donos.

Zezinho 41

Zezinho 42

Um bom jardim também vai agradar. Em nossa última viagem em família, ele acabou indo na mala, pois não tínhamos onde deixá-lo. Zezinho ainda estava se recuperando e uma aventura selvagem poderia trazer consequências.

Mesmo assim, decidimos arriscar. E foi uma alegria só. Correu muito por todo lado.

Zezinho 50

Descansou outro tanto, pois não estava acostumado a tanto exercício.

Zezinho 51

Conheceu muitas trilhas e experimentou laranja serra d’água colhida na hora.

Zezinho 52

Zezinho 53

Já tinha, na Pintada, sua grande amiga e a acompanhava por todo lado, algumas vezes se aventurando e enfrentando o desafio, outras demonstrando medo de se lançar no desconhecido.

Zezinho 54

Zezinho 56

Aprendeu a cavar buracos, o que era excelente para ele se exercitar. Usou a perninha operada com desenvoltura e cavou bastante.

Zezinho 55

Descobriu também o gosto pela aventura, embora algumas vezes ficasse com muito medo, sobretudo de se embrenhar na mata.

Zezinho 57 Zezinho 58

Ao final do dia, se acomodou pra dormir, junto com todos os outros. Zezinho já é parte de nossa matilha.

Zezinho 59

Dormiu o sono dos justos, para, no dia seguinte, recomeçar. Zezinho já pode partir. Ainda precisa retirar o pino nos próximos dias, mas isso nós já estamos providenciando.

Zezinho 60

Ainda manca, mas segundo o veterinário que o operou, pode levar mais de um ano pra ele estar totalmente recuperado e sem nenhum sinal do acidente.

Zezinho 61 Zezinho 62

Até lá, ele segue se recuperando. Por aqui as expedições são frequentes. A última não deu pra levar todos e foram apenas Zezinho e Pintada.

Zezinho 67

Nossa Pinta é mesmo a mãe da paciência e tem sido a inseparável companheira do Zezinho. E haja paciência…

Zezinho 65

Ele segue com a fisioterapia. Além da hidroginástica, ele tem treinado o bracinho cavando túneis.

Zezinho 66

As caminhadas são também uma oportunidade perfeita pra ele fortalecer as perninhas finas.

Zezinho 69

E, com tantos exercícios, era de se esperar que um dia ele aprendesse a voar. E já está conseguindo sair do chão.

Zezinho 68

Finalmente, nosso garoto já estava pronto pra seguir um novo caminho. O que não sabíamos era que a Vida cuidava de escrever uma segunda parte de sua história.

Enquanto o Zezinho era resgatado, com a perninha destruída, do outro lado da cidade, um pedido de socorro ecoava, dando notícias de uma pretinha que tinha sido atropelada e havia perdido uma patinha.

Ela estava em um dos canis de um CCZ, esperando por uma adoção que, seguramente, não viria. Estava magra, abatida, depressiva e com poucas ou nenhuma chance de escrever uma história com final feliz.

Zezinho e Naomi 1

O apelo foi ouvido e aquela cadelinha vira-lata, pretinha e de pelo curto, ganhou uma chance. Foi resgatada e levada para um lar temporário. Passou por outros exames, mais cuidados e acabou totalmente recuperada.

Zezinho e Naomi 2

No abrigo onde ficou, ela conheceu outros lobinhos, companheiros de tragédia. Fez amigos, tornou-se uma cadelinha carinhosa e sociável.

Demonstrava ter muito medo de movimentos bruscos e corria quando via uma vassoura. Os sinais mostravam que sua história talvez tenha sido um pouco diferente, mas não valia a pena desenterrar o passado.

Zezinho e Naomi 3

Com afeto e carinho, todo o sofrimento ficou no passado. Ela passou a confiar nas pessoas e reivindicar colo, até de pessoas que ela pouco conhecia.

E foi aí que surge uma família disposta a receber dois pequenos lobos.

Zezinho e Naomi 4

Os escolhidos foram Zezinho e Naomi, mas eles não se conheciam ainda. Tudo caminhava para um final muito feliz, mas precisaríamos testar a socialização dos dois.

E foi em uma tarde de sábado que o Zezinho chegou até o território da Naomi para conhecer sua nova amiga.

Zezinho e Naomi 5

A primeira aproximação foi tímida, mas bem tranquila. Algumas voltas pelo jardim foram suficientes para que eles passassem a dividir as mesmas descobertas, marcas deixadas por outros lobos.

Zezinho e Naomi 6

Em alguns minutos, já eram melhores amigos. Irmãozinhos talvez defina melhor o vínculo que se formava.

Zezinho e Naomi 7

Dali, partimos para mais uma escala. Entre a casa da Naomi e nova família, no meio do caminho havia mais uma parada para mais alguns preparativos, dessa vez no território do Zezinho.

Zezinho e Naomi 8

Por quase 4 meses, nossa matilha foi a família do Zezinho. E elas queriam conhecer a nova irmãzinha dele.

Zezinho e Naomi 9

A Naomi desceu, fez um xixizinho na grama, bebeu um pouco de água, descansou um pouco e pudemos, novamente, voltar à estrada.

Zezinho e Naomi 10

Foram recebidos pelos amigos, Alessandra e Adriano, que, mais que adotar cãezinhos carentes, entenderam que fazem parte de um processo evolutivo para duas vidas muito especiais.

Zezinho e Naomi 11

Eles são experientes no assunto. Antes de Zezinho e Naomi, passaram por aqui outros dois lobinhos, que eles receberam, ensinaram sobre afeto e os entregaram ao céu quando já estavam quese falando.

E é só isso o que queríamos para Zezinho e Naomi. Um dia, chegará a hora deles partirem, e que partam levando a lembrança de terem sido amados.

A estrada está longe do fim, pois, apesar de tudo o que viveram, eles são dois lobinhos jovens e saudáveis. O Zezinho tem pouco mais de um ano e a Naomi menos de dois.

Zezinho e Naomi 12

E o que se viu nessa chegada das duas crianças no novo território foi uma história invertida de Eduardo e Mônica. Naomi buscava o colo da Alessandra, perguntando com os olhos: _Você vai ser minha mãe?

Enquanto isso, o outro filho cuidava de mostrar que daria trabalho. Cuidou de percorrer o território, encarando a Doberman da vizinha e se impondo aos outros moradores do território.

Zezinho e Naomi 13

Nada pode ser mais gratificante do que ter a oportunidade de registrar em tempo real o surgimento de vínculos eternos. As promessas estavam todas ali, numa mistura de auras.

Zezinho e Naomi 14

O Zezinho também é carinhoso e terá o seu momento de colo e de lambidas, mas naquele momento, ele estava mais interessado em conhecer seu novo espaço.

Zezinho e Naomi 15

Nem mesmo o carinho de mãe o desviaria de descobrir quem eram aqueles seres que insistiam em provocá-lo, mostrando que aquele território já tinha donos.

Micos e esquilos estavam por ali, deixando claro que fariam de tudo pra enfernizar a vida dos pobres lobos.

Zezinho e Naomi 16

E o que pode ser melhor para lobinhos aventureiros do que ter um pedaço da mata do Jambreiro bem no seu terreiro?

Zezinho e Naomi 17

Enquanto o Zezinho corria descobrindo o território, a Naomi insistia em pedir mais um pouco de colo.

Zezinho e Naomi 18

E combinados nunca são demais. Afinal, mesmo tendo um território, eles não serão lobos livres. Terão regras a seguir.

Mas o Zezinho é obediente e vai se adaptar muito bem.

Zezinho e Naomi 19

Mas, apesar de toda a carência, há um momento em que a natureza fala mais alto. E foi aí que vimos a Naomi se interessar pelo novo território.

Tendo o Zezinho e a Alessandra como líderes, ela decidiu se soltar.

Zezinho e Naomi 20

Os dois lobos percorreram todo o território e descobriram juntos coisas bem interessantes, que nós não conseguimos identificar.

Talvez sejam marcas dos verdadeiros donos daquelas matas.

Zezinho e Naomi 21

E o que não falta por aqui é espaço e território. Em pouco tempo, já tínhamos dois lobinhos aventureiros e completamente adaptados à nova vida.

Zezinho e Naomi 22

E, para que pudéssemos sair à francesa, sem que os pequenos sentissem nossa falta, nada melhor que alguns agrados, preparados com carinho e especialmente para receber os novos moradores.

Zezinho e Naomi 23

E assim começou uma história de amizade, de afeto, de respeito, de evolução e de crescimento.

Zezinho e Naomi 24

Naomi e Zezinho terão outros nomes. Serão felizes e aprenderão tudo o que precisam, para que possam, um dia, partir rumo à terra dos cachorros que falam.

Zezinho e Naomi 25

Deixarão muita saudade, de doer. Mas a vida tem suas regras e cada um tem seus afazeres. Zezinho e Naomi têm agora a Alessandra e o Adriano, para zelarem por eles. Chegaram ao destino que a vida lhes traçou. Aos protetores que os resgataram, coube apenas um pedaço do caminho.

E como os afazeres não cessam, a caminha da Naomi está ocupada pela Polly. A do Zezinho vai receber a Júlia. E assim, reunindo esforços, cada um assumindo um pouco da responsabilidade que nos cabe nesse delicado equilíbrio da vida, estamos aos poucos construindo um mundo melhor.

Zezinho e Naomi 26

Aos amigos, Alessandra e Adriano, nosso muito obrigado por tão especial acolhida. Que as profecias se cumpram e que vocês colham os frutos de todas as sementes que plantaram.

Zezinho e Naomi 27

Zezinho

O Zezinho foi atendido no Hospital Veterinário Animal Center. Ele foi operado pelo Dr. Leonardo Maciel e recebeu tratamento vip.

Naomi também recebeu cuidados da equipe da Animal Center.

Fica registrado nosso muito obrigado ao Dr. Leonardo e a toda a equipe.

Zezinho logo