Tweetar

Compartilhar



Esta foto sempre foi e continuará sendo uma das maiores bandeiras do Projeto O LOBO ALFA.

A Tuquinha, ou Caya, como passou a ser chamada depois da adoção, foi a única sobrevivente de uma trágica história. Sua mãe, uma mestiça de Poodle, foi encontrada em uma avenida, em trabalho de parto, sem forças pra parir os filhotes, com o primeiro já entalado e morto.

Não havia tempo. O atendimento médico precisou ser imediato, com procedimento cirúrgico.

As mãos que a seguram é da protetora Eliana Malta, que chegou na Veterinária Alípio de Melo no momento da cirurgia, e ajudou a Dra Cíntia naquela difícil tarefa de salvar pelo menos a mãe. Os filhotes já estavam mortos e em decomposição.

Uma pequena que estava no final da placenta foi entregue nas mãos da Eliana, que realizou massagens até que voltasse à vida.

A mãe voltou bem da anestesia, mas morreu na manhã seguinte de infecção generalizada. Manteve-se vida apenas para que sua filhotinha mamasse o colostro.

Restava então encontrar uma mãe de leite que a aceitasse, ou a tragédia estaria completa.

Esta mocinha estava mesmo predestinada a sobreviver. Ganhou duas mães, as melhores que a vida poderia ter-lhe dado.  Ela foi adotada pela Glorinha, a cadelinha queimada com água fervente 10 dias antes de parir seus próprios filhos.

Os filhotes da Glorinha haviam nascido 3 dias antes e eram pouco maiores que a Tuquinha.

Um dia depois, viria a nascer os filhotes da Glória, a inseparável amiga de rua da Glorinha. As duas se uniram da tarefa de amamentar aquela turma.

A história completa está no Link: http://oloboalfa.com.br/as-glorinhas/

Recebemos a Tuquinha e acompanhamos seu desenvolvimento nos 45 dias em que esteve em nossa casa. Foram muitas fotos e muitos vídeos.

Caya 2

Caya 3

O vídeo abaixo mostra alguns momentos da Caya, enquanto ainda se chamava Tuquinha e estava sob a proteção do Projeto O LOBO ALFA. Ela é a menorzinha da turma, com um toco de rabo. Já nasceu assim.

No vídeo se vê a Tuquinha e seus irmãozinhos adotivos, suas duas mães de leite e a Pintada, a babá oficial de nosso Projeto.

http://www.youtube.com/watch?v=frtTbzx1TG0

Abaixo, com 30 dias de vida a Tuquinha já mostrava que viria a ser a fêmea alfa de sua matilha.

http://www.youtube.com/watch?v=aI0FEBBDfSE

Com 45 dias, ela partiu para os braços de seus adotantes, deixando muita saudade. Foi recebida pela família de Valdez e Adriana, e passou a dividir a cama e a vida com os donos.

Sempre recebíamos notícias e fotos da Tuquinha, agora já chamada de Caya. Era uma cadelinha muito feliz. Vivia em companhia de sua família humana e mais uma numerosa matilha. Aquela foi a adoção com a qual todos nós protetores sonhamos.

Há alguns dias, tivemos a notícia da morte trágica da Caya. Ela foi vítima de um vizinho que lhe deu uma grande quantidade de chumbinho em uma suculenta salsicha. Eram 4 salsichas, das quais a pequena Caya comeu apenas uma, com carga suficiente para matar 10 animais.

Os sintomas foram imediatos, assim como o atendimento. Ela ainda chegou viva na clínica, mas não pôde ser salva.

Uma história como esta não poderia terminar assim. Ficamos com a sensação de que todo o esforço de alguns para melhorar o mundo é anulado por ações vindas de monstros como este, que não mereciam estar aqui.

A revolta é grande e nos perguntamos se existirá inferno, se o castigo virá um dia ou se ficará impune. Como sonhar com um mundo melhor enquanto por aqui viverem homens assim?

Fica a pergunta: Como pode um simples canalha matar uma princesa?

Esta pergunta nos remete à letra de Beto Guedes “Canção do Novo Mundo”.

         “Quem souber dizer a exata explicação, me diz como pode acontecer, um simples canalha mata um Rei, em menos de um segundo?”

Por falar em Novo Mundo, o Projeto O LOBO ALFA, que tem como slogam “Por um novo mundo”, foi idealizado por quem acredita que o mundo está mudando. Alguns chamam de “era de aquário”, outros dizem que deixaremos de ser um mundo de provas e expiações, e assim por diante.

Não importam os nomes, as crenças, as teorias. Acreditamos que estamos sim vivendo uma transformação. Há de vir o dia em que todos os humanos sobre a terra serão protetores de animais. Há de vir o dia em que os abrigos serão meras casas de passagem, onde nenhum animal fique tempo maior que o necessário para se recuperar.

Nos conforta saber que pessoas como aquele que matou a nossa eterna Tuquinha não terão lugar por aqui. Partidão em breve e não mais voltarão.

Já a Caya, em breve estará de volta. A boa notícia é que ela terá pra onde voltar e encontrará muitos braços abertos.